Diegético é um termo que provavelmente apenas aqueles no ramo de produção de filmes já ouviram falar, mas se você chegou aqui é provavelmente porque também quer saber sobre a definição de sons diegéticos.

O que significa ‘Sons Diegéticos’?

No cinema, o mundo de um filme é chamado de diegese, portanto tudo o que existe dentro desse mundo é diegético e todo o resto é não-diegético. Um som diegético é qualquer som que emana de um filme – pode incluir tudo, desde as vozes dos personagens, os diálogos, um monólogo interno e até mesmo os sons dos objetos. Digamos que um personagem está andando por uma rua movimentada no meio da cidade, mas não há nenhum som ao redor, nenhum barulho de carro, nenhuma buzina, nenhuma pessoa falando, isso ficaria muito estranho e não faria muito sentido. É por isso que os sons diegéticos existem, e para um propósito muito importante: fazer uma cena e uma história parecerem mais realistas. Mesmo que não vejamos a origem do ruído na cena e pareça vir de algum lugar fora da tela, mas é um som real legítimo que acompanha o propósito da cena, é considerado um som diegético.

O termo vem da palavra grega diegesis, que se traduz em narração ou narrativa. Nenhuma surpresa aqui, pois qualquer tipo de som está ali para acrescentar algo à história. Os efeitos sonoros, por exemplo, por menor que pareçam, têm um papel importantíssimo em filmes e séries. Mesmo efeitos sonoros como chuva ou vento são considerados sons diegéticos porque são sons que seriam esperados em uma situação como uma tempestade.

Como distinguir sons diegéticos de outros sons de filmes?

Outro tipo comum de som diegético é a música vinda de um rádio que parece estar tocando no fundo de uma cena. Na realidade, é mais provável que a música não estivesse tocando enquanto a cena estava sendo gravada. Geralmente isso é adicionado depois durante o processo de edição, mas ainda assim, a música faz parte do que está acontecendo na cena. Na verdade, muitos sons diegéticos são gravados em estúdio por engenheiros de som para tornar os sons ainda mais claros.

Mas não confunda com música, pois ela pode funcionar através da linha diegética em som não diegético. Por exemplo, enquanto a música ouvida pelos personagens é diegética, a trilha sonora de um filme é um som não diegético.

Então, da próxima vez que estiver assistindo a um filme, comece a prestar atenção em todos os sons ao seu redor, e você perceberá quantos são em apenas uma cena.

Qual é a diferença entre sons diegéticos e não diegéticos?

Em linhas gerais, a principal diferença é que os sons não diegéticos são aqueles que o personagem não consegue ouvir, ou seja, não tem origem na tela. Os efeitos sonoros fora do mundo do filme também são sons não diegéticos, assim como uma narração ou um narrador contando a história. Claro, todos eles acrescentam algo a mais à narrativa, mas não partem do mundo do filme. Todos os sons não diegéticos são adicionados na pós-produção pelos editores.

Exemplos de sons diegéticos

Como mencionamos anteriormente, os sons diegéticos referem-se a todos os sons do universo cinematográfico. Verifique este exemplo abaixo. Em que Quick Silver salva os membros dos X-men. Porém, a música “Time in a bottle” de Jim Croce toca ao fundo. É porque o personagem do Quicksilver decidiu ouvir a música com seus fones de ouvido. Portanto, a música está tocando no mundo do filme e isso a torna diegética.

Outro exemplo muito semelhante é o de “Karate Kid” (2010). Já as músicas “Bottom Apple Jeans” e “Poker Face” começam a tocar quando a garota liga o console de dança.

Exemplos de sons não diegéticos

Já os sons não diegéticos referem-se a todos aqueles que não existem dentro do universo do filme, como a trilha sonora da cena seguinte do filme “300”.

Você pode combinar som diegético e não diegético

Na verdade, sons diegéticos e não diegéticos podem ser usados ​​no mesmo projeto, isso é chamado de som transdiegético. Estes estão lá, geralmente, para ligar duas cenas ou fazer uma transição. Um exemplo perfeito disso é quando há uma trilha sonora tocando ao fundo (som não diegético) e conforme a cena muda, você pode ver que, na verdade, o personagem está ouvindo em seus fones de ouvido (som diegético). Essa mistura de sons é o que chamamos de transdiegética.

Por que os sons diegéticos são importantes?

Todos esses tipos de sons são uma ótima maneira de os cineastas tornarem os mundos que eles constroem ainda mais poderosos. Pense em qualquer grande filme da história e você perceberá como todos os sons desempenham um papel importante na narrativa. Stanley Kubrick, Woody Allen, Francis Ford Coppola, Quentin Tarantino e muitos outros sabem da importância da música e dos sons não só para contar melhor suas histórias, mas também para gerar todo tipo de emoção no público. Como seria O Poderoso Chefão sem sua incrível trilha sonora, ou Star Wars sem todos os efeitos sonoros galácticos?

Ainda assim, não é preciso ser um dos cineastas mais importantes do mundo para prestar atenção aos sons. Qualquer tipo de filme, série ou vídeo em geral, pode se beneficiar ao adicionar o tipo certo de som, desde música até efeitos sonoros. Ainda mais, se for original e feito por artistas, duas qualidades das quais nos orgulhamos muito aqui na HookSounds, já que todas as nossas músicas e efeitos sonoros isentos de royalties são feitos humanamente em casa. Portanto, se você estiver trabalhando em seu próximo conteúdo audiovisual, certifique-se de ter sons tão poderosos quanto suas imagens, seu público com certeza vai gostar.